Poema pro Vitor

Eu tava ouvindo Padê
quando as lembranças
daquelas andanças
pela rua Camerino
vieram feito escândalo
no espaço: nós dois
desenhando sonhos
na cama bagunçada
pernas entrelaçadas
sem querer o mundo
porque ele tava inteirinho
dentro daquele quarto.

Passados dois anos
costurando as teias
que pixam as ladeiras
das nossas cidades
segue o alarde
do sobressalto
em alto e bom som
tipo os metais do Metá

Quase separamos
quase casamos
até deixar o futuro guiar
o que a sorte não pode prever

Mas fica registrada aqui
a teimosia do poema
que quer virar música
só porque é pra você.